TREND TIPS | A moda por trás da série Emily in Paris, por Priscila Burdinhão Sant”Anna

Por Priscila Sant'Anna

Trend Tips desvenda o conceito de moda da série da Netflix que virou #toptrend do mês.

Emily in Paris é uma série americana que surgiu com o intuito de ser mais uma opção leve e divertida no catálogo da Netflix. A produção, que estreou em 2 de outubro, conta a história de uma garota dos Estados Unidos que trabalha com marketing e mídias sociais e vê a vida mudar inesperadamente ao ser transferida para trabalhar na capital francesa.

O figurino é assinado por Patricia Field, stylist que ficou famosa por criar o look de Carrie Bradshaw (Sex and The City) e Andrea Sachs (O Diabo Veste Prada). Logo, a expectativa dos amantes do mundo fashion em torno do seriado era grande.

Os figurinos assinados por Patricia sempre foram icônicos e vanguardistas. E qual não foi a grande surpresa dos espectadores quando, ao invés de um guarda-roupa moderno e cool, Emily surgiu com looks maximalistas, com muita informação e de gosto duvidoso.

A série, que já veio embuida de polêmica após retratar os franceses com clichês e de forma preconceituosa, não agradou ao público que esperava um figurino impecável.

O que pouco se discutiu foi o que havia por trás do figurino de Emily. Com um guarda-roupa repleto de mix de estampas, muita logomania e clichês parisienses (como as boinas e o chaveiro da Torre Eiffel), Patricia quis mostrar a típica vítima da moda americana. Retratando a mulher norte-americana que gosta de moda, mas que nada se assemelha ao minimalismo “très chic” francês, que pode ser encontrado nas personagens francesas da série, como Camille e Sylvie.

Emily se muda para a Cidade Luz e usa e abusa de marcas de luxo, cores e acessórios nada clássicos para se mostrar como uma fashionista. A brincadeira com o figurino é tão clara que Pierre Cadault, um estilista que representa a alta costura francesa, apelida a garota de “ringard”, que podemos traduzir como “brega”.

A grande lição que podemos tirar do figurino de Emily in Paris é sermos um pouco mais como a personagem principal: vamos nos divertir com o que vestimos e não nos preocuparmos com os padrões da moda.

Por Priscila Burdinhão Sant’Anna é Jornalista e designer de moda na marca A. Niemeyer

Você também vai gostar

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.