JUNHO: mês da Conscientização da Infertilidade

Por Revista AMORA

Durante o mês de junho, a Revista Amora vai contar e compartilhar histórias inspiradoras de mulheres que encontraram a felicidade com tratamentos para a infertilidade.

POR CASSILIA BRUMATI

A Organização Mundial da Saúde (OMS) define como infertilidade a ausência de gravidez após 12 meses de tentativas com relação sexual sem contraceptivo. Estima-se que o problema atinge cerca de 15% dos casais em idade reprodutiva. Por isso, junho foi instituído como o mês da Conscientização da Infertilidade.

Foto: @doisemumfotografia

As causas podem estar no homem, na mulher ou em ambos. Por muito tempo, acreditamos que pessoas inférteis não poderiam ter filhos. Mas esse cenário mudou com o avanço da medicina especializada na Reprodução Humana. Vale lembrar também que a espécie humana não tem um alto poder reprodutivo, fala-se de 25% de chance de gravidez na relação sexual mantida durante a ovulação de uma mulher. Esse parâmetro é para mulheres com menos de 35 anos; a partir dessa idade o potencial reprodutivo diminui e, depois dos 40 anos, a possibilidade de gravidez por mês é inferior a 10%. Esses números ficam ainda mais representativos, quando acontece com você ou algum muito próximo.

Foto: @doisemumfotografia

“No meu caso, minha primeira grande dificuldade foi procurar um especialista. Havia um mix de medo, paura e esperança remota de que eu não precisasse. Ouvir meu diagnostico foi muito difícil. Mas foi graças a ele que hoje estou com as minhas filhas. Se não tivesse encarado o tratamento, não seria mãe.”

“Fui a primeira da minha turma de amigas a recorrer a um especialista. Foram anos de inseminações e depois fertilizações, até chegar a um positivo! Cheguei no consultório do médico pela insistência de uma amiga, e meu primeiro positivo chegou após dois anos dessa consulta! A jornada exige paciência e resiliência, mas vale muito a pena”

O mais importante é entendermos que diagnostico não é sentença, e que a busca pelo seu filho tem que passar por um especialista. A sociedade ainda encara a infertilidade como um problema pessoal, e não é isso. É um problema de saúde.

Mais histórias e conselhos de especialistas, nas próximas semanas aqui na Revista Amora Online.

Você também vai gostar

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.