CHOCOLATE | Se joga no pecado

Por Revista AMORA
Fotos: Diego Ocanhas  |  Foccus Fotografia

De vilão a mocinho da saúde, o chocolate meio-amargo está liberado para quem não vive sem ele”

Tudo mundo sabe que o chocolate dá sensação de prazer e bem-estar e é grande fonte de energia. E, muito além disso, de vilão em décadas passadas virou mocinho da saúde, pois pesquisas mostram que o chocolate é muito mais saudável do que se imaginava. Uma das pesquisas, realizada pela Universidade Católica da América (nos Estados Unidos), publicada em 2008, provou que  ingerir 6,7 g por dia de chocolate meio-amargo (meio-amargo, entendido?) ajudam a prevenir o organismo contra doenças cardiovasculares. Também a cafeína presente no cacau é um estimulante da circulação sanguínea e do sistema nervoso, produzindo estado de alerta.
O chocolate meio-amargo possui 70% de cacau, que é uma fonte de flavonoides, compostos antioxidantes que aumentam a concentração do colesterol bom (o HDL) e reduzem o ruim. Boa notícia, não é? Além disso, os flavonoides combatem os radicais livres, retardando o envelhecimento precoce.
Mas (tudo o que bom sempre tem um mas?), o chocolate não pode ser consumido em exagero e o limite é 50 g por dia de chocolate meio-amargo, pois pode levar a doenças como diabetes e pode impactar na saúde dos ossos.
Com uma dieta balanceada e exercício físicos, as loucas por chocolate podem ficar felizes, embora a indicação seja de 50 g por dia; basta saboreá-lo lentamente, aproveitando bem o prazer que o chocolate dá!

Amo muito chocolate,
mas como todo mundo,
me policio.

O meu preferido é o chocolate meio amargo, mas quando realmente não aguento, recorro a um delicioso ao leite. E para me sentir menos culpada, treino musculação todos os dias.
A professora de geografia Rafaela Locali, chocólatra de carteirinha

Você também vai gostar

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.